Lídia Carmeli

Todo dia Música e Poesia

Textos

Lua de Páscoa – Uma passagem para a liberdade

O tema da Páscoa hebraica é a passagem do povo hebreu rumo à terra prometida. As águas se abrem para que se alcance a outra margem, onde finda a escravidão e começa a liberdade.
Fazendo uma analogia, poderíamos dizer que esse é um caminho poético de passagem da Lua para o Sol.
Vivemos aprisionados na Lua, ignorantes de que o governador da Terra é o Sol.
A Astrologia Cabalística considera a Lua no mapa natal, como sendo o reino do ego reativo.
A inconsciência, negação ou não aceitação do nosso lado obscuro, é o que nos afasta do verdadeiro raiar do Sol que habita em nosso coração. A partir da purificação do ego ativo.
O caminho da inconsciência para a consciência, seria então a passagem para a verdadeira libertação.
Para tanto, há de se atravessar o mar das emoções com a água chegando até o topo, para alargar o caminho iniciático da percepção interior.
Enxergar além da matéria e ver o hospício que é o mundo, sem deixar-se corromper por ele.
Como a ressucitar da morte, acolher a sua Lua como um presente à serviço do seu Sol.
Realizando a sagrada alquimia do mergulho para dentro de si mesmo e ao auto-conhecimento do que transformar em sua vida.
Feliz Páscoa!

A Lua que hoje é cheia, acende no alto os brilhos do Sol, para que todos ao vê-la - O louvem.
Reflete Seu esplendor e exibe em seu corpo nú, a sagrada promessa de que sempre é dia, mesmo ao romper da mais escura noite.
Ao clarear, sombreia, abrindo-se em delicadas rendas de infinitos contornos de auras prateadas.
E, graças a Ela, a noite é bela!
Séquitos de estrelas curvam-se aos seus encantos e a música das esferas sibila e cintila divinas promessas tecidas em seu invisível manto.
Não é verdade que a Lua não tenha luz própria, como dizem os olhos físicos... nem que seja vazia de força ou ação.
Em sua discreta grandeza, é feminina, receptiva e próxima tanto do Céu quanto da Terra.
Longos caminhos percorre no espaço. Primeiro é nova, invisível como o útero da vida e em discreta humildade, vai crescendo nos Céus, caminhando paciente, até fazer-se cheia e plena de fertilidade e sabedoria.
Tem a idade das eras e nem por isso reivindica para si um trono estático e perpétuo. A Lua é movimento, mudança. Nuances de cor e sombra que se derramam em águas imaginárias de sonhos noturnos, gestando os mais autênticos desejos...
Sem admirar-se de sua imagem ao espelho, emerge a Lua da inconsciente alma do mundo, para ser ela própria o espelho consciente da onipresente chama divina no coração humano.
Louvam os poetas seus mil nomes e mistérios e continuam os homens a prometer entregá-la nas mãos de suas amadas.
Enche os olhos das crianças de luar e fantasia...
Fugidia e insana, mãe e madrasta, navega por mares celestes como o farol da memória a marcar solidária, os ciclos da vida.
Lídia Carmeli
Enviado por Lídia Carmeli em 31/03/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras